sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Barrada 2011 - primeiro apontamento

Este primeiro apontamento sobre a festa da Imaculada Conceição em Barrada, no Alentejo é de silêncio, é de palavras contidas





A nossa presença na festa decorreu e tem decorrido de um acto de amor: a Amélia Freitas, depois de enviuvar, refez a sua vida com o Chico Rato, alentejano dos sete costados, homem da restauração  no «Pátio Alentejano» em Évora, membro dirigente da Associação Cultural de Barrada, cantador, animador. A festa da padroeira, Nossa Senhora da Conceição, acontece naquela capelinha do lugar e consta de missa, procissão e outras actividades festivas, desde a véspera. Nós temos ido para cantar a missa, fazer a procissão e mostar os nossos bailes. É uma jornada de viagem demorada, sete horas para lá, seis para cá, conforme as paragens de conveniência. O senhor padre Manuel lidera as cerimónias e valoriza muito bem a dimensão popular que a tradição cunhou nos festejos: a procissão corre as ruas de Barrada, com instrumental da banda dos bombeiros de Alvito, com reza dos mistérios do terço e cantos processionais da nossa parte. O povo segue em filas com as velas acesas. Há uma ou outra porta entreaberta, mas a aldeia está sempre mergulhada no maior sossego, com tantos pormenores de habitabilidade como de isolamento. Ficam as ruas abençoadas, os caminhos, as casas e os campos. Costuma estar mais frio que calor quando a cerimónia recolhe à capelinha, por isso este ano os bailes foram no salão da sede cultural, ali ao lado, onde se almoça e se janta, onde está o bar e todos os serviços associativos. As pessoas estimam-nos e a relação criada passa já por apertos de coração: existe uma empatia de saudação, mas também de conversa, de conhecimento progressivo, Já nos vemos envelhecer juntos e fazemos sempre votos para mais um ano: «chorai olhos, chorai olhos / que o chorar não é desprezo / também Maria chorou / quando viu seu filho preso» - foi assim a moda alentejana entoada pelo ponto e erguida pelo alto. (Escrito por JM, em 13/12/2011)
...

Sem comentários:

Enviar um comentário