terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Barrada






São estes momentos que surpreendem o convívio e a mesa: não têm a receptividade total que mereciam, em termos de silêncio e de condições de execução,mas são uma partilha generosa de sentimentos mútuos por formas musicais que sempre se sobrepuseram a trabalhos no campo, a conversas de taberna ou de mesa e a situações diversas do quotidiano: quando aquela força vocal irrompe, o tempo interior de todos e de cada um vai-se transformando em receptividade, primeiro deslumbramento,depois admiração, finalmente atenção. Comer e cantar, servir e cantar, falar e cantar são momentos da mesma partilha, do mesmo rito.

Sem comentários:

Enviar um comentário